CPI das fake news tem missão. Deve buscar resultados concretos

As acusações feitas pela ex-líder governista no Congresso Nacional, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), ao apontar a existência de uma “milícia digital palaciana”, certamente terão impacto na agenda futura do País.

Outro parlamentar oriundo das hostes governistas, deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), em depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) das Fake News, reiterou que junto ao núcleo presidencial atuam operadores, pagos com dinheiro público, para propagar notícias falsas e insultar adversários.

Na audiência, o parlamentar entregou material para a CPI que comprovaria a utilização de robôs para propagar na web – com velocidade acelerada e maciçamente – conteúdos mentirosos com as mais diversas finalidades. Alguns especialistas e estudiosos estimam que de 80% a 90% das ações de comunicação ligadas ao bolsonarismo são típicas de robôs a partir de contas movimentadas pelo exterior.

Certamente, desvendar o esquema das milícias digitais terá relevância na agenda pública nos próximos dias. Bom que seja assim. Afinal, o assunto é grave, pois “quem conhece a verdade e a chama de mentira é 1 criminoso”. É o que afirmou o dramaturgo alemão Bertolt Brecht ao narrar o debate de Galileu com seus inquisidores.

O que torna louvável e oportuno o “Programa de Enfrentamento à Desinformação com Foco nas Eleições 2020”, lançado recentemente pela ministra Rosa Weber, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A democracia não pode pactuar ou ser leniente com formas de propaganda que induzem o eleitor a votar em fraudes.

Nesta cruzada, a própria expressão “fake news” gera mal entendido e acabou criando uma cortina de fumaça para que governantes possam eximir-se de responsabilidades. Muitas autoridades, ao serem criticadas ou acusadas de delitos que realmente cometeram, afirmam imediatamente que tudo não passa de “fake news”. Vários jornalistas, aliás, têm rechaçado o termo porque tais conteúdos simulam uma notícia, mas são construídos deliberadamente para enganar e propagar deliberadamente uma mentira. Portanto, não guardam qualquer semelhança com o processo de produção do noticiário que passa por checagem, verificações e triagens para evitar erros –que, mesmo assim, ocorrem.

Criar inimigos, disparar ataques ferozes a personalidades e desqualificar causas legítimas… este é o modus operandi do que poderíamos chamar de fábrica de ódio. Goebbels, o construtor e operador da máquina nazista de propaganda, infelizmente, tem sido lembrado de forma constante e recorrente. Cultivar o ódio alimenta o fanatismo, a violência e, por fim, chancela a repressão como forma de governar a sociedade. Nos tempos atuais, de Facebook e outras mídias sociais que permitem a criação ou desconstrução de realidades, manipular o ódio como principal plataforma na luta política solapa a democracia.

O esforço que a sociedade tem exigido do Estado, no sentido de transparência e integridade, dentro do pressuposto da comunicação pública que é a credibilidade das mensagens, está sendo substituído por práticas que contrariam avanços institucionais recentes como a chamada lei complementar de transparência e a lei de acesso à informação. Retroagem, até mesmo, à Constituição. O imperativo constitucional da publicidade do Estado não admite emissão de mensagens distorcidas ou , tanto mais grave, o compartilhamento leviano de informações falsas recebidas. A comunicação pública –o diálogo do Estado com a sociedade– tem como premissa a informação que reforça a transparência, a moralidade e a eficiência da administração pública.

A interação com a sociedade – sob o abrigo exclusivo e subterrâneo das redes sociais – é 1 disfarce, pois aceita a propagação deliberada de mentira sem quaisquer consequências. Proteger políticos que surfam na onda da desinformação – e receber dinheiro deles – aliás, tem sido crítica contundente contra Mark Zuckerberg, do Facebook. A mais recente partiu dos próprios funcionários da empresa que reagiram contra a decisão da rede social em aceitar dinheiro de propagandas políticas, mesmo que mentirosas. Em carta para os líderes da empresa, publicada no New York Times (em 28.10.2019), os empregados lamentam que a empresa esteja jogando fora o esforço de integridade que vinha sendo construído.

Eleições pelo mundo afora empoderaram líderes com viés autoritário e populista, empenhados em desacreditar opositores políticos e desqualificar o valor social da informação correta.

A desinformação afeta a todos nós e corrói os pilares democráticos. Hitler, em “Minha Luta”, escreveu que “as grandes massas do povo são mais facilmente vitimadas por uma mentira grande do que por uma mentira pequena”. Ainda mais quando a falsidade é embalada emocionalmente no ódio ao outro. Há tempo para a sociedade brasileira mergulhar no tema de forma que a CPI em curso possa trazer resultados concretos no que diz respeito à transparência na administração pública. “A verdade consiste em procurar sempre a verdade”, inspira o escritor francês Romain Rolland.

Simples assim!!!

Publicado no site Poder 360.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s