O prejuízo da cooperação internacional ilegal da República de Curitiba

Por Marco Aurélio de Carvalho e Thales Cassiano

Os procuradores da “lava jato” sempre se comportaram como uma instituição autônoma e permanente da República. Com o apoio militante e disciplinado de parte da imprensa, obtiveram autonomia quase irrestrita dentro do Ministério Público Federal. O que deveria, inclusive, incomodar qualquer cidadão, operador do Direito ou não. Afinal, trata-se de um grupo de investigação criminal com obrigações legais vinculantes. (mais…)

E o sol nasceu em Curitiba …

No aniversário da Lava Jato, o presente foi dado para a advocacia

Quem costuma encher o tanque do carro com gasolina da Petrobras deve ficar em estado permanente de alerta: pode acabar sendo investigado na operação Lava Jato. Empresários, donas de casa, professores… estão todos na mira! Um pouco de exagero, claro, mas talvez já não estejamos muito longe disso. Vejamos. No final do ano passado, na esteira de uma investigação conduzida pela Força-tarefa de Curitiba, Fábio Luís Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, foi acusado de receber milhões de reais em supostas vantagens indevidas da companhia de telefonia Oi. Essa versão, vazada intencionalmente para a imprensa, ocultava um detalhe muito relevante. Fábio Luís e a Oi são sócios ostensivos e regulares em uma empresa chamada Gamecorp, cujo contrato foi devidamente registrado na Junta Comercial. Esta mesma empresa publica seus balanços periodicamente em jornais de grande circulação. Tudo às claras. (mais…)

Sem conseguir comprovar, tentam confundir…

Toda investigação, em qualquer área do conhecimento, começa com suspeitas e teses. Não é raro vermos especulações improváveis abrirem caminho para grandes e importantes descobertas. É tão comum que existem até programas de TV especialmente voltados para as reviravoltas em pesquisas médicas e em investigações criminais. Suspeitar, pode-se dizer, é o primeiro passo para esclarecer. (mais…)